Storyteller

Quando consumidores, eu e você, sentimos a emoção de comprar o que precisamos e o que não precisamos, sabemos que algo foi comunicado, a oferta atingiu o objetivo inicial. 

Contar histórias sempre fez parte de nossas vidas, e de certa forma, podemos não ler livros, não acompanhar notícias ou não fazer parte de algum clube de conversas, mas neste momento eu e você fazemos parte de uma narrativa para alguma marca, alguma pessoa. 

Storytelling: Você, com as informações que tem, entrega uma enciclopédia; eu, com essas mesmas informações, entrego Shakespeare.” 

Protagonista ou coadjuvante, somos todos parte de um objetivo, uma necessidade, uma oferta, da indústria, do comércio, das tecnologias com interfaces, dos canais de comunicação com programações, notícias, emails, mensagens. Tudo faz parte de uma grande história. 

O storytelling seria um estágio mais avançado do marketing de conteúdo, porque oferece não só conhecimento, mas partilha uma experiência, uma história com o objetivo de humanizar o objeto que se veicula, tangível ou intangível, construir envolvimento, intimidade, fisgar o lado emotivo do consumidor para que este se identifique de forma marcante, inesquecível, e, assim, fideliza-lo.

As marcas estão interessadas em vender algo além dos produtos.

Modelo de um bom storytelling

O que é indispensável para fazer uma boa campanha de storytelling:

  • Um protagonista que o seu público alvo possa se identificar.
  • Uma trama que surpreenda, coloque o personagem em uma situação de risco que gere duplicidade com o espectador.
  • Uma resolução que inverta o curso da narrativa favoravelmente ao personagem central e que desperte sensação de otimismo quanto ao futuro.
  • Um resumo dos acontecimentos que estimule o espectador a adotar ações positivas ao seu bem estar a exemplo do protagonista.

Veja a estrutura mais adequada para elencar e exibir os componentes expostos acima com eficiência e clareza:

  • Introdução. Apresente o seu personagem respondendo as seguintes perguntas: Quem é esse personagem? Quais são os seus interesses? O que o motivou a estar naquele lugar no começo da narrativa? Que lugar é esse?
  • Apresentação do problema. Exponha um conflito facilmente identificável ao seu público que retire o personagem de sua zona de conforto e o coloque em situação de emergência.
  • Construção da empatia. Faça o público se vê no papel da figura central diante do problema a ser enfrentado e torcer para que este encontre uma solução satisfatória.
  • Superando o desafio. Mostre ao público que o protagonista optou pelo caminho mais nobre, porém mais difícil.
  • Conclusão. Encerre a história registrando que apesar dos sacrifícios, o herói da trama teve força e dedicação suficiente para resolver o problema e que agora se deleita merecidamente dos frutos de sua empreitada. Este pode ser o momento de exibir o pensamento central da campanha, que sintetiza tudo que foi exposto associando um conceito, um valor, um princípio na qual a empresa se norteia, o chamado slogan.

fonte:

veduca.org

semrush.com

livros que recomendo:

(Visited 2 times, 1 visits today)

Leave A Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *